quarta-feira, 21 de abril de 2010

| és muito independente

"és muito senhora do teu nariz, realizada e independente e com uma personalidade forte e isso assusta os homens. Sabes bem o que queres, ele sempre foi o teu ponto fraco. Não é por acaso que tens um narizinho cheio de personalidade"
what?
Foi esta a contra-resposta que ouvi de uma amiga, quando respondi "já não estou com ele, terminou", julgava eu que isto colocaria um ponto final na conversa (costuma ser assim, afinal todos acham que sou uma rocha e que sim eu tenho de estar disponível para ouvir ‹‹as dez lamurias por gole››, mas Narizinho não sofre).
A diferença está no facto de não me lamentar e reagir com um sorriso e cabeça erguida. E esta resposta  não colocou o desejado ponto final na conversa; pelo contrário deu aso a uma série de perguntas (retóricas, sim, porque a resposta dela foi apenas um encolher de ombros). Mas agora eu pergunto, é suposto isto ser mau? É que se é mau, eu devo ter uma mente muito obtusa. Ser independente é mau? Sinceramente eu tenho bastante orgulho em tudo o que consegui com a minha independência e determinação. Foi a minha determinação que me deu a licenciatura e o mestrado, bem como o trabalho numa empresa de renome na minha área. Foi a minha personalidade que me fez chegar onde estou (e espero que me leve bem mais longe), bem como superar os obstáculos que surgiram. 
É suposto eu depender de terceiros, ou fazer alguém sentir que dependo dele para ser feliz? Sentir-se-ia ele mais macho por isso? Gostaria mais de mim por eu depender dele? Se eu fosse homem teria bastante orgulho em dizer que a minha namorada é independente e conquistou tudo por mérito próprio, ficaria feliz por ver que tinha objectivos e que conseguia ter uma vida sem eu estar sempre a amparar.
E ser 'senhora do meu nariz', isto é porquê? Porque não ando a bradar aos sete ventos o que se passa na minha vida. Sempre gostei de ser discreta, a minha vida só a mim e aos meus diz respeito. Porque tinha uma vida dita normal mesmo tendo um alguém especial? Não acho que esteja errada, sempre fui atenciosa com ele, incluía-o na minha vida, tínhamos programas a dois, e programas em grupo, conforme tínhamos cada um os seus programas. Uma relação não é uma prisão (julgo eu), é uma partilha, nós partilhamos. Os homens gostam de sentir que nos têm nas mãos? É isso? Que horror moldar alguém a ser como eu. Não há duas pessoas iguais, ele é era o meu ponto fraco? Porquê? Porque fazia tudo para o ver feliz, para que se sentisse bem, acho que isso também faz parte de uma relação - dar sem esperar receber.
Desculpem mas não consigo mudar, a minha independência nunca interferiu na quantidade/qualidade do que dou de mim, felizmente (graça a deus né?) há homens que também são assim e eu admiro. Por isso e como não paramos no ano de 1974 e os tempos (felizmente) evoluem vou considerar que as palavras da minha amiga foram um elogio.

Sem comentários: