sexta-feira, 23 de abril de 2010

| a minha LuA

Há um tempo para acreditar, um tempo para viver e um tempo para desistir, e eu tive muita sorte porque vivi todos esses tempos no modo certo. Demorei muito tempo a aceitar que, às vezes, desistir é o mesmo que vencer, sem travar batalhas. Antigamente pensava que não, que quem desiste perde sempre, que a subtracção é a arma mais cobarde, e o silêncio a forma mais injusta de deixar fenecer os sonhos. Mas a vida ensinou-me o contrário. Hoje sei que desistir é apenas um caminho possível, às vezes o único que os homens conhecem. Aprendi que o amor é uma força misteriosa e divina. Sei que também aprendi muito, mais do que imagino e do que agora consigo alcançar. Só o tempo me vai dar tudo , esse tempo que é uma caixa que se abre ao contrário (…) mas sabes uma coisa? Já não me importo, porque guardei no meu coração antes de partir. Numa noite perfeita entre tantas outras, liguei o meu coração a um fio invisível e troquei uma parte da minha alma enquanto dormia.