quarta-feira, 12 de maio de 2010

| a malha


"não é apenas uma malha, foi a malha onde me deixaste chorar... permitiste mostrar como sou frágil, aconchegaste-me e sentiste o meu estado. eu não queria, e com todas as minhas forças e perante as outras pessoas aguentei as lágrimas. com uma simples pergunta tua, e uma resposta minha "cansada", elas escorreram-me pelam face.
deixaste que chorasse, limpaste-me as lágrimas e abraças-te e protegeste-me. 
quando te agradeci disseste que a malha ia tar sempre ali para chorar, babar e ranhosar.
fazes qualquer mulher se sentir especial, e o melhor de tudo e' a amizade...sim! pura sem interesses. 
mandas-me abraços fortes e perguntas como estou (mesmo sabendo a resposta). o teu universo é imenso, e a tua vivência, a tua capacidade de perdoar, a capacidade de te dares sem esperares nada em troca torna-te o "belho" único.
e mais uma vez gabo-me dos amigos que tenho, e tenho muito orgulho neles. 
(obrigado R.)"

escrevi (te) precisamente à um mês. à um mês atrás era exactamente eu que me encontrava desarmada à tua frente enquanto chorava e me deste a tua malha e o teu amor incondicional. hoje chegou a minha vez meu querido, hoje dou-te a minha malha, os meus melhores sorrisos, o meu melhor brilho. e tanto do mimo bom, do nosso, intocável.

Sem comentários: