domingo, 18 de setembro de 2011

| acontecimentos que me definiram #2

nunca ter vivido com meu pai.
Quer dizer, dizem que ele viveu lá em casa ainda era eu muito bebé e foi por um curto período de tempo.
Apesar disso, sempre fui feliz... nunca senti que era diferente por o meu pai não viver comigo. Sempre soube que tinha muitos irmãos da parte de pai e eles não gostavam muito de mim, mas também foi uma coisa com que sempre vivi bastante bem.
o meu pai visitava-me todos os dias, ia lá casa, dava-me beijinho, perguntava pela escola, fumava um cigarro, comia uma fatia de queijo Universal (era um homem de hábitos), falava com minha mãe e às vezes até arranjava para lá algo que nós não conseguíamos. Ia embora, dava-me um beijinho e eu dormia.
Foi sempre assim até ele ficar doente.
Não sinto que tenha sido menos amada por ele não viver comigo, não o culpo por me ter trocado pelo outros filhos. Eu sei que era a filha em quem ele tinha imenso orgulho, lembro-me perfeitamente do brilho dos olhos dele quando me dizia " a tua irmã veio dizer-me que és muito bonita".
ele nunca teve oportunidade de me explicar o porque de voltar para uma casa que não gostava e me deixar, mas apesar disso tenho o maior orgulho no meu pai. Transmitiu-me valores incalculáveis e hoje adoro quando me dizem "pareces o teu pai"
tudo isto nunca mudou em momento algum a minha definição de família, pelo contrário só a definiu ainda mais.

Sem comentários: