segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

| acontecimentos que me definiram #5

este post vem no seguimento de um email que recebi de uma personagem que diz que se chama Ana Costa. (Ana?! Estás ai? Oláaa este é para ti)
pois é, a "Ana" diz que eu sou uma ingrata, que ando aqui a publicar que quero perder 4kg e que Deus me devia castigar e fazer engordar era 40kg. A "Ana" ainda diz mais, diz que eu gozo  com as pessoas que são realmente gordas» e que me faço de querida mas no fim sou «igual às outras»; ah e esperem que sou muito oca e pertenço àquele grupo que vai para o ginásio desfilar e dizer que está gorda para que me digam que estou magra.
acho que não vale a pena continuar a mencionar o conteudo do email, uma vez que anda à volta disto.
(ainda aí estás  Ana?)

Então é assim
um acontecimento que me definiu enquanto pessoa foi o facto de eu já ter sido obesa (pasma-te Ana). Durante parte da minha infância fui gorda, sempre fui das mais gordas da turma. Os rapazes achavam-me piada mas eu não era boa como o milho, nem tinha maminhas, e era doida por futebol.
Se na primária não fazia diferença, com a chegada do 5ºano vieram as alcunhas e além de quatro olhos também me chamaram gorda. Aliás tenho bem presente na minha memória uma vizinha de uma prima minha (prima muito mais velha que eu) lhe dizer "mas é tão gorda".
A meio do 8ºano eu era completamente obesa. Como é que cheguei aos 50kg? com um acumular de vivências que inflênciaram o meu sistema nervoso e me tirava toda a fome. bebia um copo de água e sentia-me a rebentar como se tivesse comido o maior manjar da vida.
Praticava voleibol e futebol, dedicava-me para não acumular nervos em mim. O corpo foi modificando, o meu organismo começou a rejeitar a comida e acabei internada com uma anorexia nervosa.
felizmente recuperei, e claro gostei de me ver magra.
passei a ter cuidado com a alimentação, nada de exagerado é certo. não conto calorias. mas eu já estive do lado do peso em excesso e não quero voltar.

por isso eu compreendo a luta de muita gente contra o excesso de peso, mas também sei que sou exemplo para algumas pessoas.
tive a sorte de a minha perda de peso não me deixar grandes marcas fisicas e nenhuma psicologica. tornou-me forte.
Em jeito de conclusão: "Ana", eu não quero que ninguém me diga que estou magra, para isso tenho uma mãe que sempre achou que eu estava magra, e muito menos vou para o ginásio desfilar (para isso estão lá as que são realmente boas).

6 comentários:

Chicolaiev disse...

A inveja é uma coisa tão feia...
E há pessoas que não conseguem ser felizes, logo, há que tentar fazer os outros infelizes para se "sentir melhor"...

É como a treta do €...
Eu não ganho o salário minimo... mas também não ganho 4 digitos...
Posso achar que sou pobre...ou viver "feliz" por haver pessoas mais pobres!!

Ignora, ignora!!!

Zé Carlos disse...

Por norma não comento, mas se desta vez achei-me no direito de o fazer, primeiro porque não consigo perceber esta coisa dos email's ofensivos, de gente que se arma em vitima e ataca os outros e ainda mais quando se trata de questões como esta, a de ser gordo ou não!
Sinceramente e a menos que haja razões de ordem hormonal ou qualquer patologia, não há razão nenhuma para alguém ser gordo! Com disciplina, com exercício físico, com alimentação cuidada e muita força de vontade, não são precisas dietas, para num par de meses com facilidade perder 20-30 kg!
Sinceramente, penso que à maioria das pessoas o que falta é disciplina, força de vontade e capacidade de sacrifício.
Tenho um primo que sempre foi um miúdo que comia de tudo e comia muito bem, desde miudo que andou sempre em excesso de peso e apesar de comer bem (em quantidade, entenda-se) procurava fazer algum esforço para criar hábitos menos sedentários: sem se esforçar muito ainda jogava à bola com os amigos umas 3-4 vezes por mês, ao fim de semana andava sempre uns 2-3 km de bicicleta, andava a pé alguns minutos, etc.
Em Julho pesava quase 120 kg, mesmo tendo 1,85 m, estava claramente "gordo". Em Julho, por brincadeira, começou a andar diariamente de bicicleta, começou com 2-3 km e rapidamente chegou aos 15-20 kms e em certos dias fiz-lhe companhia em percursos de mais de 35 km! Deixou as refeições em quantidade e passou para as refeições em qualidade, passou a comer sopa, passou a comer mais fruta e legumes, reduziu nas quantidades de tudo o resto. Começou com caminhadas frequentes e no final do Verão já fazia corridas de 3 km's. Com o fim do Verão, ao contrário do que toda a gente pensava, não desistiu, manteve a disciplina na alimentação, no exercício e a preocupação com os seus limites, foi fazendo análises periodicamente e respeitando os intervalos de descanso. Pela primeira vez em 23 anos, não o vi repetir as rabanadas e todas as outras tentações que uma mesa de natal tem para oferecer, nem nem nesse dia descuidou a disciplina que se auto-propôs e os resultados estão à vista: é uma outra pessoa! 7 meses depois, tem menos 40 kg, tem muita mais energia, muita mais resistência, muita mais disposição para as coisas e corre 2 vezes por semana 10-12 km! Se é algo que toda a gente consegue fazer? Não! Claramente não! Não é fácil deixar o conforto do sofá para ir correr 10km, não é fácil acordar mais cedo ao fim de semana para fazer a caminhada, não é fácil resistir aos doces e aos jantares fartos. E não venham com coisas de que foi fácil, porque no ginásio tem isto e tem aquilo e toma mais aquilo... porque ele conseguiu sem ginásio, apenas com um par de sapatilhas e a bicicleta! Apenas isso, corrida e bicicleta!
Se valorizo ainda mais por ser meu primo? Claro que sim, mas o esforço foi dele a recompensa é para ele! Tenho todo o direito (e dever) de me sentir contente por ele.

Por isso, para todas as pessoas que se sentem gordas e que comem umas bolachas enquanto se queixam pelos blog's e que nada fazem por elas, não há solução, não ha milagres, não há depuralinas que resolvam! Que se mexam mais e comam menos e critiquem ainda menos!
Volto a dizer, a menos que seja por alguma motivo de doença, génetico ou por efeitos de medicação, só é gordo, quem quer!

NaRiZiNhO disse...

Chicolaiev, eu ignoro de todo este tipo de cenas. desta vez só a resolvi manifestar porque muita boa gente acha que por ler meia dúzia de coisas que aqui escrevemos que já nos conhece, e no fim não sabem nada de nós.

Zé Carlos
o problema de muitas pessoas é mexerem-se, como disseste não é fácil levantar mais cedo para fazer exercicio, não é fácil dizer já chega.
e acho que estes emails vêm exactamente de pessoas que não têm coragem de dizer NÂO - eu vou escolher um caminho diferente. E ao lerem que alguém (que não é obeso) se levanta para ir para o ginásio e se alimenta bem simplesmente por se quer manter saúdavel partem para a critica. felizmente é coisa que não me faz perder o sono, e se puder ajudar ajudo com todo o prazer.

mari disse...

bolas, até aqui :S
enfim ... não ligues
cada um com a sua consciência **

faa aa disse...

Adoro mesmo as pesoas que falam sem saber!

Pelos vistos tens um passado que te definiu e lutaste contra ele. Foste melhor que muita gente, pois conseguiste.

Mas mesmo que não tivesses tido esse passado, qual era o problema de teres um peso ideal e não querer fugir do mesmo? Qual era o problema de controlar a alimentação no sentido de te sentires bem contigo mesma?

Não me entra na cabeça.

NaRiZiNhO disse...

mari
já passou ㋡ é sorrir e acenar ㋡

faa aa
o problema está no facto das pessoas se irritarem de reconhecerem nas outras pessoas a força que elas não têm.